Adeus Bethoveen! Mais um anjinho levado pela Cinomose!

Sei que o assunto de hoje não tem absolutamente nada haver com a abordagem original da página, porém acredito que será útil para outras pessoas que podem vir a passar o mesmo que eu com seus cãezinhos. Não faz tanto tempo, estava eu aqui me despedindo do meu "velhinho" Teddy. Após sua morte adotamos um pequenino cãozinho. O chamamos de Beethoven. Ele, como podem ver nas fotos era adorável e dorminhoco (depois de alguns meses conosco passou a adorável brincalhão).Costumo dizer que não fui eu, e sim ele quem me escolheu, com aquele olhar meigo e pidão. Ele foi apenas um em cerca de 11 ou 12 irmãos. A mãe não tinha leite suficiente, e ficavam jogados no terreno baldio da minha rua, aos cuidados de um senhor bem pobre que montou um casebre no local. Se eu pudesse adotaria todos, porém infelizmente, seria impossível mantê-los.
Bethoveen bem filhote
Após adotarmos-o travamos uma luta contra os vermes e sarna. Era muito pequenino e portanto, muito frágil. Cheguei a falar com a veterinária algumas vezes sobre vaciná-lo, porém ela achou melhor aguardar sua cura completa. Ele estava a base de medicamentos, com a imunidade bem baixa e a vacina poderia se tornar demasiadamente forte.
Infelizmente não houve tempo. Assim que ficou 100%, precisei viajar para Minas e o deixei nas mãos de alguns vizinhos e amigos. Ele inicialmente passou a ter diarreia, recuperou-se a base de remédios e logo em seguida deu um grande susto em todos desmaiando e passando a ter ataques epiléticos/convulsões. Chegou também a não reconhecer as pessoas a sua volta tentando fugir ou ficando feroz...
Foto recente do Bethoveen
Apesar de saber que ele estava sendo muito bem cuidado, preocupada, voltei assim que soube. Nunca esquecerei dele ao me ver chegar de viagem. Apesar de "grogue" (havia passado a noite internado), se levantou cambaleando, deitou-se em meu colo, lambeu meu rosto e ficou um bom tempo ali, pedindo carinho e mostrando o quanto havia sentido minha falta.
Os próximos dias foram difíceis. O veterinário receitou Gardenal a cada 12 horas para o tratamento das convulsões (que deram certo). De inicio ele caia o tempo todo e eu tinha que ficar de olho para que não se machucasse. Depois, de um dia para o outro, simplesmente parou de andar. Não conseguia mais se locomover, ou levantar a cabecinha Passei os últimos dias, 95% do tempo cuidando dele e tentando fazê-lo comer, levando-o para o veterinário e medicando-o. Infelizmente toda a luta e amor não adiantaram. No dia 20 de Setembro ele veio a falecer. Foi muito duro perdê-lo, porém sei que estava sofrendo demais...
A doutora a alguns dias havia falado em sacrifício, porém conheço algumas pessoas que passaram pelo mesmo e seus cãezinhos sobreviveram e hoje vivem bem, praticamente sem sequelas. Resolvi lutar pela sua vida. Até o ultimo momento.
Eu pessoalmente nunca havia ouvido falar desta doença tão triste e contagiosa. A conheci da pior maneira possível, e para que não aconteça o mesmo com o seu "melhor amigo", resolvi postar aqui meu relato e pedir a todos que vacinem seus animais...
A Cinomose é uma doença altamente contagiosa (apenas entre cães), e não tem cura (mesmo que o Bethoveen sobrevivesse, teria que tomar remédios a vida toda e seria uma via de contágio para outros animais).
A prevenção é através da vacina V10, dada no animal após 6 semanas de vida.Saiba mais sobre a doença e tratamento clicando aqui! ;)

0 comentários:

Postar um comentário